POLÍTICA À UCRANIANA


Eles que são brancos que não se entendam: briga por língua faz sentido

Manifestantes que jogam gás lacrimogêneo em policiais (evidentemente, o percurso tradicional também aconteceu) foram apenas uma das esquisitices da explosão de protestos na Ucrânia. Quem olha de fora do país, sem proximidade com as tragédias históricas que o estraçalharam no século XX, também custa a entender que estejam brigando por causa de uma língua. No caso, o russo, promovido a idioma oficial num projeto de lei aprovado por meio de manobras solertes no Parlamento – tanto que o presidente do órgão e seu vice renunciaram. A briga tem origem num problema praticamente insolúvel: quase 20% da população da Ucrânia tem origem russa, só quer falar a língua de seus antepassados e busca proteção em Moscou. A russificação de partes da Ucrânia provém, sobretudo, da época do império soviético, que no auge do terror stalinista engendrou o extermínio dos produtores rurais que resistiam à coletivização através de uma política de terra arrasada. Foi cunhada até uma palavra em ucraniano, holodomor, para definir a morte em massa por fome. Continua impossível cravar um número final de vítimas, mas o vazio demográfico deixado pela grande fome já foi calculado em 6 milhões. Não admira que tantos ucranianos se sintam ameaçados pela influência russa, externa e interna, embora o atual presidente, Viktor Yanukovych; seja do campo pró-Rússia. Pela nova lei, o russo se toma idioma oficial em escolas e repartições públicas de treze das 27 regiões do país. “Não é uma questão de língua, mas de divisão do território nacional”, disse Vitali Klitschko, uma ucraniana combinação de campeão de pesos pesados e líder político. O boxeador fortão com doutorado em ciências do esporte também levou sua dose de gás lacrimogêneo e, contrariando o nome do partido que criou – Pancada – não reagiu.

(POLÍTICA à ucraniana. Revista Veja. Edição 2277, Ano 45, nº 28, 11 de jul de 2012, p. 41)

Nenhum comentário:

Postar um comentário