Apresentando o Cataphora...

O Grupo de Pesquisa Cataphora congrega pesquisadores interessados em estudar fenômenos lingüísticos, textuais e discursivos, sobretudo aqueles que nos ajudam a compreender um pouco melhor as relações complexas entre a linguagem e os diversos mundos. Entre os objetos de estudos do grupo figuram prioritariamente a referenciação, os gêneros de discurso da mídia impressa, o dialogismo e as relações entre linguagem e ideologia. Embora não de forma exclusiva, há preocupação em estudar os fenômenos discursivos e lingüísticos praticados na cidade de Teresina, sede do Grupo. O Grupo está sediado no Departamento de Letras da Universidade Federal do Piauí, na cidade de Teresina.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Nooossa o primeiro comentarioh!!! É este texto apresenta sinteticamente o mundo complexo o qual estudamos! AHH! simples referenciação, o q um genero?!!rs texto?!!! eis a indagação!!! Sistemas linguisticos socialmente situados, pois é estudamos um pouco o ambiente social, interdiciplinaridade, interdiscursividade, intertextualidade, ainda assim, nao explicam muito, rsrs! Mas as perguntas movem o mundo e nos temos muitas perguntas!!!

    ps. Os erros ~so pq meu teclado é um tanto qnto obscuro!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. O Cataphora nasceu de uma proposta corajosa, porém, tentadora de um professor que, sendo, também, pesquisador procurou estimular (e ainda faz isso todo santo dia) seus alunos a engajarem-se mais no mundo acadêmico da pesquisa.
    O surgimento do grupo, assim como o nome, deu-se de uma forma mais ou menos improvisada, mas não menos bem-humorada... Cada componente, hoje, já é identificado a um dado objeto de estudo, analisado continuamente sob diferentes aspectos.
    Estamos aí, o grupo já está formado, desenvolver-se-á concomitante ao nosso desenvolvimento e das pesquisas por nós desenvolvidas. Vamos buscar, então, respostas para muitas das perguntas que nos inquietam.

    ResponderExcluir